Header

Testemunhos

Efetue o login para postar uma mensagem

Cadastre-se
1 entry.
daniel escrito em 28 de maio de 2018 at 14:15:
Missionário cristão sobrevive a emboscada do Estado Islâmico: “Não tinha como sobreviver sem Deus”24 de Abril de 2018

Um missionário cristão da organização Free Burma Rangers (FBR)* fez um relato impressionante sobre um confronto com o Estado Islâmico em maio de 2017, na região oeste de Mosul, uma das cidades ocupada pelos extremistas e que antes era lar da maioria dos cristãos no Iraque.

Identificado apenas como Dave, o missionário e sua equipe se juntaram à tropa liderada pelo tenente iraquiano Hussein, que atuava com o suporte das Forças Armadas dos Estados Unidos na luta contra o Estado Islâmico.

Na ocasião, o missionário e o tenente foram feridos gravemente, mas conseguiram afugentar os soldados terroristas mesmo feridos, e sobreviveram à emboscada para testemunhar o milagre. Confira abaixo o relato publicado no portal Faith Wire:

Em 18 de maio de 2017, os [missionários] Rangers e eu estávamos fornecendo apoio médico à unidade do Exército Iraquiano do tenente Hussein, enquanto eles lutavam de rua em rua para libertar a [zona] oeste de Mosul do Estado Islâmico.

“Por que você arrisca a sua vida para nos ajudar?”, Hussein perguntou.

“Deus nos enviou e nós estamos com você como uma família. Vamos dar um passeio pelo ‘lado selvagem’ com você ”, respondi.

“O que significa ‘andar pelo lado selvagem’?”, ele perguntou.

Eu sorri e respondi: “Significa que não sabemos o que vai acontecer! Mas nós andaremos no ‘lado selvagem’ com Jesus. Podemos orar?

“Sim”, disse Hussein.

Nós oramos juntos, e eu senti uma paz vir sobre mim e Hussein sorriu e disse: “Vamos”.

A libertação do bairro Tamuzz 17 na zona oeste de Mosul consistia em brutais brigas de casa em casa a cada dia. Os civis rastejariam ou fugiriam de seus esconderijos, nos beijariam e nos agradeceriam por sua fuga. Os soldados iraquianos e eu oramos juntos todos os dias.

No quarto dia do avanço, Hussein e eu paramos em uma rua próximo a uma parede e os restos de um carro explodido. De repente, três combatentes do Estado Islâmico atacaram de um canto a apenas sete metros de distância. Eles avançaram uns cinco metros em nossa direção, atirando rapidamente, com um deles gritando “Allahu Akbar” enquanto atirava.

Ainda me lembro da erupção de tiros e dos olhares em cada um dos rostos do Estado Islâmico quando eles dobraram a esquina, com as armas nos ombros, olhando para baixo nas vistas de suas armas, balas atingindo Hussein, eu e o chão ao nosso redor. Eu fui capaz de detê-los e até hoje sei que foi Deus quem me ajudou.

Eles atiraram em Hussein três vezes no peito, duas vezes no braço esquerdo e uma vez na perna esquerda. Ele caiu e eu fui baleado uma vez no meu braço esquerdo. Pude parar os extremistas e, com a ajuda de Zau Seng e Justin em nosso time, tiramos Hussein da rua. Os soldados do Estado Islâmico continuaram a atacar a nossa equipe. Os soldados de Hussein e nossa equipe os prenderam enquanto eu dava os primeiros socorros e tentava manter Hussein vivo, orando enquanto eu trabalhava.

Depois de 20 minutos, um BMP iraquiano, um tanque leve, abriu caminho pela rua e evacuou Hussein e dois outros soldados feridos no ataque. Com o prosseguimento da batalha, nós nos abrigamos em um prédio para nos defendermos contra novos ataques. Avançamos novamente no dia seguinte e não sabíamos se Hussein havia vivido ou morrido. Isso é Hussein, no hospital com o coração exposto pelos tiros AK-47.

Meses depois ouvimos que Hussein havia sobrevivido no que seus médicos chamavam de milagre. Um médico lhe disse: “Eu nunca vi ninguém sobreviver a feridas como esta, só Deus poderia ter ajudado você”. Os guardas e eu agradecemos a Deus por sua sobrevivência e continuamos orando por ele.

Durante nossa última missão ao Iraque em fevereiro de 2018, Hussein veio nos encontrar em Irbil. Nós nos abraçamos e agradecemos a Deus juntos. “Obrigado por salvar minha vida”, Hussein me disse. “Eu costumava chamá-lo de tio, mas agora eu te chamo de pai”.

Fiquei impressionado com a gratidão e agradeci a Deus com ele. Lembrei-me do poder da oração e disse-lhe que muitas pessoas estavam orando por ele. Nossa equipe se reuniu ao redor, e Hussein e eu contamos o que aconteceu naquele dia e como Deus nos salvou.

Dois de nossos amigos nos Estados Unidos me disseram, meses depois, que na época em que estávamos sendo alvejados, sentiram uma vontade de orar e pararam o que faziam e oraram muito. Eles não sabiam o que tinha acontecido até mais tarde. “Vocês salvaram nossas vidas com essas orações. Não havia como ter sobrevivido sem a ajuda de Deus”.

Eu contei tudo isso a Hussein e quantas pessoas em todo o mundo haviam orado por ele. “Deus colocou a mão em mim naquele dia”, disse Hussein ao olhar para todos nós. “Ele me salvou para fazer alguma coisa. Obrigado pela sua ajuda e agradeço ao meu Deus por me salvar”.

Hussein é casado e tem uma filha, nascida três dias depois de ter sido baleado, e um filho a caminho. Ele precisa de mais cirurgias, pois tem dificuldade para andar e usar o braço machucado. Com a ajuda da ATP, estamos ajudando-o nas primeiras cirurgias e orando pela recuperação total. Deus tem algo especial para ele e faremos o possível para continuar ajudando.

Obrigado por suas orações e amor!
Deus te abençoe,
1